Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/12/2016 - 20h18min. Alterada em 29/12 às 20h18min

Bolsas fecham em baixa em Nova Iorque pressionadas por setor financeiro

As bolsas de Nova Iorque fecharam novamente em queda nesta quinta-feira (29), com o Dow Jones se afastando ainda mais da marca psicologicamente importante dos 20 mil pontos. O setor financeiro liderou as perdas e pressionou os mercados acionários americanos.
O índice Dow Jones encerrou o dia em queda de 0,07%, aos 19;819,78 pontos. Já o S&P 500 recuou 0,03%, aos 2.249,26 pontos, enquanto o Nasdaq caiu 0,12%, aos 5.432,09 pontos.
No penúltimo pregão do ano, as bolsas americanas inverteram os ganhos do começo da sessão e passaram a operar em baixa pressionadas, principalmente, por ações de bancos. Desde a vitória do republicano Donald Trump nas eleições presidenciais americanas, o setor se valorizou, com expectativas de que o futuro presidente dos EUA diminua os impostos e que, com isso, os bancos sejam favorecidos. Hoje, o Goldman Sachs perdeu 0,97%, o Morgan Stanley caiu 1,08%, o Citibank recuou 1,10% e o JPMorgan teve baixa de 0,72%.
Com as recentes baixas, o Dow Jones se dirige para o seu primeiro declínio semanal desde as eleições presidenciais. Apesar das perdas nesta semana, o índice subiu cerca de 8% desde 8 de novembro e pode ter o seu maior ganho entre as eleições e o fim do ano desde a eleição de Herbert Hoover à presidência, em 1928, de acordo com o WSJ Market Data Group.
Com poucos indicadores orientando o pregão nos últimos dias do ano, alguns investidores esperam por mais clareza sobre a política da nova administração dos EUA para decidir o tom que querem dar aos seus negócios. Ainda assim, alguns dizem acreditar que os estoques americanos estejam prontos para continuar o rali em 2017. O crescimento econômico dos EUA acelerou, os ganhos corporativos começaram a crescer novamente após vários trimestres de contração e muitos analistas esperam que o governo de Trump implemente políticas favoráveis aos negócios.
"Estamos entre os feriados de fim de ano, o volume é baixo e tivemos um bom rali até aqui", disse Ernie Cecilia, diretor de investimentos da Bryn Mawr Trust. "Mas nosso ponto de vista seria que os índices ainda podem ser o local mais favorável a investimentos pelo menos em 2017", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia