Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

EMPREGO

Notícia da edição impressa de 30/12/2016. Alterada em 29/12 às 22h33min

Desemprego atinge 12,1 milhões de pessoas

No período de um ano, 702 mil postos de trabalho foram cortados na construção civil

No período de um ano, 702 mil postos de trabalho foram cortados na construção civil


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
O mercado de trabalho no Brasil voltou a dar sinais de deterioração na reta final de 2016, período em que historicamente o desemprego dá uma trégua. O País alcançou um contingente recorde de 12,132 milhões de desempregados no trimestre encerrado em novembro, e a taxa de desemprego avançou a 11,9%, também a mais alta da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Há 3,018 milhões de pessoas a mais em busca de uma vaga, um salto de 33,1% em relação a um ano antes. Ao mesmo tempo, foram fechados 1,941 milhão de postos de trabalho. A taxa de desemprego só não foi mais elevada porque 967 mil brasileiros migraram para a inatividade no período, parte deles por desalento, após tentativa frustrada de se inserir no mercado de trabalho.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia