Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 29/12 às 19h09min

Petróleo fecha em queda após DoE acusar avanço dos estoques nos EUA

Os contratos futuros de petróleo interromperam um rali de quatro dias consecutivos de ganhos e encerraram em queda nesta quinta-feira (29), pressionados por dados do Departamento de Energia (DoE) mostrando um avanço dos estoques norte-americanos na última semana.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do WTI para fevereiro fechou em queda de 0,53%, a US$ 53,77 o barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para março caiu 0,19%, a US$ 56,85 por barril. O contrato para fevereiro, que vence hoje, cedeu 0,14%, a US$ 56,14 por barril.
Após operarem sem direção única pela manhã, os preços caíram com a divulgação de que os estoques de petróleo dos Estados Unidos tiveram aumento de 614 mil barris na semana encerrada em 23 de dezembro, para 486,063 milhões de barris. O relatório do DoE contrariou a previsão dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de queda de 1,4 milhão de barris.
Apesar do aumento do número principal, os estoques de gasolina tiveram diminuição de 1,593 milhão de barris, enquanto os de destilados recuaram 1,881 milhão de barris. Já os estoques de petróleo em Cushing subiram 172 mil barris.
A pausa, no entanto, não tirou os preços dos patamares mais altos vistos desde julho de 2015.
"A surpresa não foi grande o suficiente para machucar o mercado", disse Donald Morton, vice-presidente sênior da Herbert J. Sims. "Com toda a expectativa sobre o que acontecerá após o ano-novo, operadores irão querer comprar na baixa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia