Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 29/12 às 16h58min

Bolsas da Europa fecham sem direção única influenciadas por setor financeiro

As principais bolsas europeias fecharam sem direção única nesta quinta-feira, 29, binda sob influência de notícias sobre o setor bancário italiano, com destaque especial para o Banca Monte dei Paschi di Siena. A fraqueza nas bolsas acompanhou o mau desempenho visto em Nova Iorque ontem e hoje. A exceção se deu em Londres, com o índice FTSE-100 renovando seu recorde de fechamento.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,35%, aos 360,26 pontos. A bolsa de Londres terminou em alta de 0,20%, aos 7.120,26 pontos; Paris caiu 0,20%, aos 4.838,47 pontos, e Frankfurt recuou 0,21%, aos 11.451,05 pontos. A bolsa de Milão teve baixa de 0,18%, aos 19.203,94 pontos; Madri caiu 0,19%, aos 9.327,10 pontos, e Lisboa avançou 0,35%, aos 4.668,35 pontos.
No penúltimo pregão do ano, as bolsas europeias operaram mistas, ainda com foco no Monte dei Paschi. No início do dia, o índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, respondeu positivamente à notícia de que a recapitalização do banco italiano deve começar em dois ou três meses, em um acordo com a Comissão Europeia, de acordo com o ministro de Economia do país, Pier Carlo Padoan. A instituição mais antiga da Itália precisa de 8 bilhões de euros para continuar suas atividades.
No entanto, ações de companhias ligadas ao setor financeiro passaram a cair pressionadas pelo Credit Suisse, após informações de que autoridades dos EUA estão investigando a venda de um título a Moçambique, que, ao invés de ser usado para a pesca, teria sido utilizado para a compra de equipamentos militares. Com isso, as ações do banco suíço fecharam em queda de 3,37%. Em Londres, o Barclays perdeu 1,07% e o Lloyds recuou 1,21%; já em Frankfurt, o Deutsche Bank teve baixa de 2,34% e o Commerzbank caiu 1,82%.
O índice FTSE-100, da bolsa de Londres, renovou seu recorde de fechamento nesta quinta-feira. Companhias do setor de energia avançaram, amparadas na alta dos preços do petróleo Brent, negociado na ICE, durante a manhã. A BP fechou em alta de 0,45% e a Royal Dutch Shell subiu 0,55%. Além disso, mineradoras de metais preciosos também impulsionaram Londres, na esteira da alta nos preços do ouro e da prata. A Fresnillo avançou 4,62% e a Randgold Resources ganhou 4,82%.
Já o índice DAX, de Frankfurt, também foi pressionado pelo setor automobilístico. A Volkswagen registrou queda de 2,02% e a BMW recuou 1,48% nesta quinta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia