Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 10h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 27/12 às 11h48min

Setor público apresenta pior déficit primário para novembro desde 2001

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção da Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 39,141 bilhões em novembro, informou nesta terça-feira (27) o Banco Central. O resultado é o pior para meses de novembro desde o início da série histórica, que tem início em 2001.
O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro das estimativas de analistas do mercado financeiro, que iam de déficit de R$ 45,900 bilhões a R$ 35,200 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 38,700 bilhões.
O resultado fiscal de novembro foi composto por um déficit de R$ 39,876 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 421 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 970 milhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 548 milhões. Já as empresas estatais registraram superávit primário de R$ 314 milhões.
Em outubro, havia sido registrado superávit de R$ 39,589 bilhões e, em novembro de 2015, um déficit de R$ 19,567 bilhões.
O déficit primário do setor público consolidado considerado pelo Banco Central é de R$ 163,9 bilhões para 2016, parâmetro que consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Para 2017, o déficit primário consolidado esperado é de R$ 143,1 bilhões. Essas projeções levam em conta um rombo de R$ R$ 170,5 bilhões para o Governo Central em 2016 e de R$ 139,0 bilhões para 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia