Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 08h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 27/12 às 09h36min

Confiança dos serviços cai 1,8 ponto em dezembro, aponta FGV

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) recuou 1,8 ponto na passagem de novembro para dezembro, para 75,7 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (27). O índice teve a terceira queda consecutiva, acumulando uma perda de 4,9 pontos desde setembro.
"A mensagem dos números da sondagem de serviços nesse final de ano é de que o setor deve prosseguir com fraco desempenho no início de 2017", avaliou Silvio Sales, consultor do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota.
O Índice de Situação Atual (ISA-S) caiu 0,7 ponto em dezembro, para 70,2 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-S) recuou 2,9 pontos, para 81,6 pontos.
A maior contribuição para a variação do ISA-S foi da percepção sobre a Situação Atual dos Negócios, que caiu 1,3 ponto, para 69,7 pontos. Entre os indicadores integrantes do IE-S, o destaque negativo foi a avaliação sobre a Tendência dos Negócios para os seis meses seguintes, que recuou 3,8 pontos, para 83,1 pontos.
Entre as 13 atividades pesquisadas no setor de serviços, nove apresentaram queda da confiança em dezembro. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) do setor teve ligeiro aumento de 0,1 ponto porcentual em dezembro, para 82,7%. A coleta de dados para a edição de dezembro da sondagem foi realizada entre os dias 1 e 22 do mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia