Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

e-commerce

Alterada em 26/12 às 17h58min

Vendas no e-commerce crescem 3,8% no Natal ante igual período de 2015

O comércio eletrônico registrou crescimento nominal de 3,8% nas vendas durante o Natal na comparação com igual período do ano anterior, segundo dados da Ebit, empresa especializada em informações sobre o setor. O resultado considera o período de 15 de novembro a 24 de dezembro e inclui, portanto, vendas feitas durante a Black Friday, período promocional de novembro.
As vendas no período totalizaram R$ 7,7 bilhões no e-commerce. Apesar do crescimento em valor, a quantidade de pedidos feitos online caiu. Foram 16,6 milhões de encomendas, um recuo de 5,9% ante 2015.
A Ebit considera que, embora as vendas tenham registrado resultado bom durante a Black Friday, as semanas seguintes não confirmaram as expectativas positivas do setor.
"Os indicadores macroeconômicos apresentaram redução da confiança do consumidor nos últimos dois meses e houve o aumento da incerteza com relação à economia brasileira", disse em nota Pedro Guasti, CEO da Ebit. "Isso refletiu diretamente nas vendas do varejo restrito, incluindo o e-commerce", conclui.
O tíquete médio das compras online no período foi de R$ 463, alta de 10,3% na comparação com o mesmo período de 2015. Segundo o monitoramento da Ebit, as categorias de produtos que mais venderam foram eletrodomésticos, seguidos por itens de moda, telefonia, cosméticos e, por fim, produtos para casa e decoração.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia