Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 23/12 às 18h50min

Petróleo fecha perto da estabilidade

Os contratos futuros de petróleo fecharam perto da estabilidade nesta sexta-feira, apresentando uma alta modesta em relação à sessão anterior, com os operadores fechando as apostas às vésperas do Natal.
O contrato do WTI para fevereiro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em alta de 0,13%, a US$ 53,02 por barril. Já o Brent para o mesmo mês, negociado na Intercontinental Exchange (ICE) avançou 0,19%, para US$ 55,16 por barril.
Analistas esperam que os preços do petróleo continuem oscilando num intervalo estreito até o ano que vem, quando os operadores vão começar a procurar por indícios de que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cumprirão o acordo de cortar a produção.
"A retórica é suficiente para manter o petróleo flutuando, ou, pelo menos, no nível atual", disse John Kilduff, da Again Capital.
O mercado de energia pouco se importou, ainda, com o relatório semanal da Baker Hughes sobre o número de poços e plataformas em atividade nos EUA. O dado apresentou alta pela oitava semana consecutiva, elevando para 523 o número de poços em operação.
Mais cedo, antes do dado da Baker Hughes, o petróleo operava em queda em meio a preocupações com a produção da Líbia. No começo da semana, o país anunciou a reabertura de dois oleodutos que devem produzir 270 mil barris de petróleo por dia. A retomada levantou dúvidas sobre a eficácia do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de cortar parte da produção a partir de janeiro.
Ainda assim, o movimento de queda não foi forte o suficiente para impedir uma virada no começo da tarde. O petróleo continua no maior nível desde meados de 2015. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia