Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 23/12 às 18h33min

Ouro fecha em alta com investidores cobrindo posições em mercado de baixo volume

Os futuros de ouro fecharam em alta nesta sexta-feira, com os investidores cobrindo posições curtas em meio a um baixo volume de negócios às vésperas do feriado de Natal. O contrato para fevereiro, negociado na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 0,25%, a US$ 1.133,60.
Nas últimas semanas, os investidores têm procurado ativos mais arriscados, fugindo do ouro, mas em meio ao fraco volume de negócios desta sexta-feira, quem estava procurando comprar o metal para fechar posição acabou estimulando os preços, segundo George Gero, a RBC Wealth Management.
Conforme o mercado de ações foi batendo recordes após a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA, os investidores se desfizeram dos ativos seguros em detrimento de investimento mais arriscados, que dão maior retorno.
Além disso, a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) de elevar as taxas de juros em dezembro também pressionou o ouro nas últimas semanas. Juros mais baixos tendem a pressionar o metal amarelo, que não paga retornos aos seus investidores e luta para competir com outros tipos de investimento.
Para Gero, no entanto, a perspectiva de juros mais altos já pode estar precificada no ouro no curto prazo. "Parece-me que o mercado já está descontando o próximo aperto monetário", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia