Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de dezembro de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 23/12/2016. Alterada em 22/12 às 21h08min

Presidente não critica fim de contrapartidas para os estados

A aprovação das renegociações das dívidas dos estados com a União sem a obrigatoriedade de contrapartidas foi chamada, pelo presidente Michel Temer, de "tempestade em copo d'água". Em café da manhã de fim de ano com jornalistas, nesta quinta-feira, o presidente disse que não vê problemas no fato de os deputados terem tirado do texto as exigências da União. Segundo ele, será até melhor negociar caso a caso os contratos, em vez de o governo ficar preso à legislação.
"Está se fazendo uma tempestade em copo d'água. Se não constar da lei as exigências, quando a Fazenda Pública examinar os pedidos de recuperação, irá exigir as contrapartidas necessárias, é um contrato. As contrapartidas foram colocadas no texto a pedido dos governadores. Se não foram encartadas na lei, a União pode exigir essas e outras que não estavam na lei", afirmou.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia