Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Alterada em 22/12 às 17h49min

Meirelles espera que medidas para cartão de crédito entrem em vigor no 1º tri

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, garantiu nesta quinta-feira, 22, que os juros do cartão de crédito cairão pela metade nos próximos 90 dias. Disse também que o Banco Central já conseguiu acordo com os bancos para que as taxas caiam até o fim do primeiro trimestre de 2017.
"Houve uma conversa do Banco Central com os bancos, mostrando que é necessário o esforço de todos para o Brasil voltar a crescer. Há, sim, o compromisso de todos os agentes envolvidos de que a taxa de juros do rotativo estará pela metade do que é hoje ao fim do primeiro trimestre de 2017", disse o ministro, após almoço com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Segundo Meirelles, a redução das taxas é factível nesse prazo, porque a economia já dá mostras de melhoria e porque outras medidas já foram adotadas, como a universalização do acesso dos cartões de crédito a qualquer "maquininha".
O ministro adiantou que o Conselho Monetário Nacional (CMN) deve decidir na reunião de janeiro pela limitação do prazo do crédito rotativo a no máximo 30 dias. "A partir de 30 dias, o saldo poderá ser parcelado em até 24 meses, com taxa de juros menor que a do rotativo", detalhou.
Meirelles enfatizou que a situação econômica brasileira "já é e será" outra, ainda de forma mais visível a partir do fim do primeiro trimestre do próximo ano. "A economia já mostra sinais de recuperação, mas esse é um processo gradual. Durante o primeiro trimestre de 2017, teremos uma série de indicadores que irão mostrar a inflexão e a retomada da atividade, garantindo o crescimento para 2017", concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia