Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/12 às 18h39min

Ouro fecha próximo da estabilidade, mesmo com dólar mais fraco

Os contratos futuros de ouro fecharam próximos da estabilidade, em leve queda, nesta quarta-feira (21), mesmo com o dólar caindo em relação a outras moedas fortes. A falta de interesse pelo ouro vem com a tentativa do índice Dow Jones de alcançar a marca histórica de 20 mil pontos. A sequência de recordes quebrados nas bolsas tende a minimizar o apetite por metais preciosos, que são vistos como ativos seguros.
O ouro para fevereiro, negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 0,03%, a US$ 1.133,20 por onça-troy, revertendo a alta registrada no começo da sessão, quando chegou a atingir US$ 1,138,80. No acumulado do mês de dezembro, o metal amarelo já caiu 3,2%, pressionado pela contínua ascensão do dólar e pela alta de juros nos EUA.
Os investidores estão preocupados com a performance do metal em meio a um ambiente de juros mais altos, já que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), decidiu fazer um aperto monetário na semana passada. O ouro tem dificuldades de competir com ativos que pagam retornos, uma vez que o metal não paga nada a seus investidores.
Desde que atingiu a maior cotação do ano, o ouro já caiu 18%, com os investidores se mostrando cada vez mais otimistas com o governo do presidente eleito Donald Trump.
"O ouro está claramente na defensiva", afirmou James Steel, estrategista do HSBC. Segundo Steel, é possível que os preços cheguem até US$ 1.100,00 no curto prazo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia