Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 14h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

21/12/2016 - 15h28min. Alterada em 21/12 às 15h37min

O País já estará crescendo bastante no 4º trimestre de 2017, prevê Meirelles

 Meirelles ressaltou que a economia brasileira caiu muito entre o 4º trimestre de 2015 e o último trimestre de 2016

Meirelles ressaltou que a economia brasileira caiu muito entre o 4º trimestre de 2015 e o último trimestre de 2016


Antonio Cruz/Agência Brasil/JC
Apesar de existir uma possibilidade de crescimento da economia já no 1º trimestre de 2017, o governo não conta com isso, disse nesta quarta-feira (21) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. "Não estamos necessariamente contando com isso", disse. Por outro lado, o ministro afirmou que o País pode crescer em ritmo mais forte até o fim do ano que vem, superando 2% na comparação do 4º trimestre de 2017 com os últimos três meses deste ano.
As previsões mais otimistas da Fazenda para o fim do ano que vem têm sido recorrentes no discurso da equipe econômica. Desde o fim de novembro, secretários da pasta e o próprio ministro têm usado a projeção de crescimento de 2,8% do PIB no último trimestre de 2017 em relação a igual período deste ano para demonstrar que a economia brasileira está sim retomando o fôlego.
Nesta quarta, Meirelles ressaltou que a economia brasileira caiu muito entre o 4º trimestre de 2015 e o último trimestre de 2016. Quando isso acontece, no ano seguinte, mesmo que cresça, a comparação entre as médias anuais fica depreciada. "Mas não significa que o País não está crescendo forte", disse.
Segundo o ministro, a economia pode reagir já no 1º trimestre de 2017. "Existem possibilidades, com grande margem de incerteza, e esse é o problema da previsão trimestral, que é mais volátil, mas existe boa possibilidade de o número no 1º trimestre ser positivo. Mas não estamos necessariamente contando com isso", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia