Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 08h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

21/12/2016 - 10h00min. Alterada em 21/12 às 10h00min

Cobre opera em alta, após recuos recentes

O cobre opera em alta na manhã desta quarta-feira (21), embora sem muito impulso, recuperando-se de quedas recentes. Analistas advertem, porém, que deve haver novos movimentos negativos no contrato no futuro próximo.
Às 9h35min (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,4%, a US$ 5.540 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para março tinha ganho de 0,14%, a US$ 2,5060 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 9h45min.
O cobre caiu em Londres cerca de 8%, após atingir máxima em 18 meses acima de US$ 6 mil a tonelada no fim de novembro. O analista Robin Bhar, do Société Générale, disse que o recuo recente levou alguns investidores a considerar os preços compensadores e a comprar contratos. Bhar advertiu, porém, que não podem ser descartadas novas quedas.
Dados divulgados pela China nesta quarta-feira mostraram que as exportações de cobre do país recuaram 15% em novembro, na comparação com igual período de 2015. Já o Grupo de Estudo Internacional do Cobre disse que a demanda chinesa teve alta de 7% nos primeiros nove meses de 2016, na comparação com o mesmo período do ano anterior, mas notou que as importações de cobre refinado têm perdido fôlego nos últimos meses. A demanda mensal no terceiro trimestre caiu 5% ante o nível visto no primeiro semestre do ano.
O dólar um pouco mais fraco tornava as commodities denominadas em dólar mais baratas para os detentores de outras divisas.
Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio recuava 0,06%, a US$ 1.724 a tonelada, o zinco caía 0,4%, a US$ 2.632 a tonelada, o chumbo subia 0,14%, a US$ 2.193 a tonelada, o níquel avançava 0,1%, a US$ 10.955 a tonelada, e o estanho operava estável a US$ 20.935 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia