Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de dezembro de 2016. Atualizado às 12h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Alterada em 20/12 às 13h09min

Inda espera aumentos de preços de usinas para setor automotivo em janeiro

Após um ciclo de alta de preços promovido pelas usinas siderúrgicas para a rede de distribuidores de aço, o presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), Carlos Loureiro, espera que repasses sejam feitos ao setor automotivo a partir de janeiro do próximo ano.
O executivo calcula que os aumentos de preço para os distribuidores este ano ficaram em torno de 55% a 58% até dezembro na comparação com 2015. Já a indústria automotiva não recebeu reajustes, afirmou.
Com alguns reajustes em aços planos que ocorreram em dezembro por parte da CSN, Usiminas e Gerdau, as compras da rede distribuidora cresceram em novembro, segundo identificou o Inda. "As compras tiveram um desempenho superior ao das vendas em parte por um efeito pouco racional, de antecipação aos aumentos", disse.
As compras de aço pela rede de distribuição em novembro de 2016 subiram 5% em relação ao mesmo mês de 2015, totalizando 256,4 mil toneladas, de acordo com o Inda. Já as vendas de aços planos realizadas pela rede de distribuição mês passado alcançaram 248,8 mil toneladas, o que significou uma queda de 2,3% ante novembro de 2015.
Loureiro considerou que o risco para o setor é de que a alta de estoques dos distribuidores acabe provocando uma redução de preços de venda nos próximos meses. Apesar disso, avaliou que o cenário de preços "está firme", com elevações ocorrendo nos principais mercados mundiais e, inclusive, nos preços da sucata.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia