Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de dezembro de 2016. Atualizado às 07h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

20/12/2016 - 08h34min. Alterada em 20/12 às 08h34min

Melhor perspectiva para EUA e Japão favorece bolsas asiáticas, mas Xangai cai

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira (20), com algumas delas sustentadas por uma perspectiva mais positiva para as economias dos EUA, da Alemanha e do Japão. Ações chinesas e de Hong Kong, por outro lado, continuaram pressionadas por uma turbulência recente no mercado de bônus da China.
Em discurso ontem, a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, disse que ganhos na economia criaram um dos mercados de trabalho mais fortes em anos para recém-formados nos EUA.
"(Yellen) está realmente esperando que a economia dos EUA cresça com força", comentou Greg McKenna, estrategista-chefe de mercado da AxiTrader.
Já o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu manter sua política monetária inalterada, após reunião de dois dias concluída hoje, mas avaliou que a economia japonesa "prossegue com sua tendência de recuperação moderada" e mostrou-se mais otimista em relação às exportações e produção industrial.
O BoJ, porém, também ressaltou que todos os riscos para a economia do Japão vêm do exterior, "particularmente da China".
Na Alemanha, o BC local disse ontem que a maior economia da Europa mostrou sinais de "expressiva aceleração" no fim de ano.
Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,53% hoje, a 19.494,53 pontos, também ajudado pela fraqueza do iene ante o dólar na esteira do BoJ e de comentários de seu presidente, Haruhiko Kuroda. Na capital sul-coreana, Seul, o Kospi avançou 0,17%, a 2.041,94 pontos.
Nas bolsas chinesas, por outro lado, os negócios voltaram a ser pressionados pela recente volatilidade no mercado de bônus chineses, cujos preços tiveram forte queda na abertura após notícia de que o Banco do Povo da China (PBoC) passará a incluir investimentos fora do balanço financeiro na sua avaliação de risco de instituições financeiras, a partir do próximo trimestre.
O Xangai Composto caiu 0,49%, a 3.102,88 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,14%, a 1.981,32 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng teve queda de 0,47%, a 21.729,06 pontos.
Entre mercados pequenos da Ásia, o Taiex registrou leve alta de 0,03% em Taiwan, a 9.242,41 pontos, mas o filipino PSEi apresentou baixa de 0,83% em Manila, a 6.658,66 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana subiu pelo segundo dia consecutivo, atingindo o maior nível desde agosto de 2015. O índice S&P/ASX 200, ajudado principalmente pelo bom desempenho de papéis de grandes bancos, avançou 0,52% em Sydney, a 5.591,10 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia