Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 17h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 20/12/2016. Alterada em 01/03 às 17h42min

Opinião econômica: Santa Terezinha

Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC

Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC


/Jonathan Heckler/Arquivo/JC
Nizan Guanaes
Esta é minha última coluna do ano. Minhas colunas têm sido, como me disse rindo Mario Sergio Conti, de um otimismo irritante e descolado da realidade. Kkkkk. Ele tem razão.
É que eu sou empreendedor, e o empreendedor opera no campo do milagre. E milagre é com a senhora, minha santinha.
Eu nasci no Pelourinho, em Salvador, e tinha seis anos quando ocorreu o golpe militar de 1964. O Brasil só saiu da ditadura quando eu estava saindo da faculdade. As chances matemáticas de eu estar aqui agora eram baixíssimas. Obrigado, minha santinha.
Empreendedor, no Brasil, tem que fazer milagre do milagre. Deve ser por isso que Abilio Diniz reza tanto e compartilhou conosco suas preces no seu novo e imperdível livro (Novos caminhos, novas escolhas).
Nesta longa crise brasileira, a gente tem que contar com santa Terezinha, são Judas Tadeu, santo Expedito, santa Rita de Cássia... A gente tem que ir de santo e de turma de santos.
É claro que a gente tem que fazer a nossa parte: temos de ter resiliência, cortar os custos, modernizar os processos, fazer uma faxina no nosso "mindset" e trabalhar tanto quanto o João Doria.
Mas, por outro lado, temos que ter muita fé. Minha mulher é corintiana. E eu aprendi com ela a acreditar em gol no último minuto do segundo tempo.
Depois deste ano de "dois mil e dezechega", 2017 vai ser uma década. E uma década duríssima. (Olha que beleza, Mario Sergio Conti, eu sendo pessimista.) E, a meu ver, a melhor forma de enfrentar o ano que entra é nos prepararmos para o pior.
Administrar hoje, no Brasil, é a gestão criativa do pessimismo.
No caso do nosso grupo, vamos juntar todas as empresas em um só prédio. Vamos economizar no aluguel, compartilhar despesas, reunir talentos, aproveitar bastante nossas sinergias e aprofundar a nossa cultura de excelência.
Não estamos inventando a roda. A Omnicom, nosso parceiro global, faz isso com muito sucesso em Londres, Los Angeles, Berlim. Portanto, vamos entrar em 2017 com uma tesoura de custo nas mãos e uma alavanca na outra.
Minha santa Terezinha do Menino Jesus, peço que o Brasil e seus filhos cheguem vivos e inteiros ao final de 2017. Que atravessemos essa pinguela e cheguemos bem em 2018.
E, como isso só pode acontecer com muita luta nossa e milagre vosso, eu recorro à senhora, minha santinha, na esperança de que esse pedido meu e de meus leitores seja atendido.
Durante boa parte dos dias deste ano, eu saí do meu escritório nos Jardins e fui até a sua igreja, na rua Maranhão, em Higienópolis, onde assisto à sua missa das 19h e depois volto para trabalhar ou jantar com a minha família.
No turbilhão deste País de milhões de desempregados e juros estratosféricos, com milhares de empresas fechando todo mês e tantos clientes nossos sofrendo, esse encontro diário consigo, minha santa Terezinha, tem sido, para mim, um remanso e a providência divina que me ajudou a sair vitorioso de ano tão conturbado.
Sou um líder, tenho que comandar mais de 2.000 pessoas diariamente. Passar rumo, norte e fé. E, quando eu fraquejo, é a senhora, menina de 24 anos, fisicamente frágil e moralmente gigante, quem me coloca de pé e me faz seguir em frente, sem me deixar vergar.
Muita gente lendo isso vai achar cafona. Mas a felicidade é cafona.
E, por isso, a vós entrego, minha santa das rosas, este ano de 2017. Com suas pétalas, seus perfumes e seus tantos espinhos.
Publicitário e fundador do Grupo ABC
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Marciane Amaili Faes 22/12/2016 08h37min
E que o povo cante: Derramai vossa chuva de rosasnTeresinha da pátria e do amor. Sobre a igreja e sobre as almas ansiosasnQue a vós clamam com todo fervor.