Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

19/12/2016 - 15h16min. Alterada em 30/01 às 17h40min

Camex autoriza abertura de processo contra o Canadá na OMC por subsídio

O conselho de ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex) autorizou a abertura de processo na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra o Canadá, por subsídios à indústria à fabricante de aeronaves Bombardier. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (19) em nota pelo Ministério das Relações Exteriores.
Segundo a nota, o governo da província de Quebec injetou US$ 2,5 bilhões na Bombardier este ano. "Há indicações de que o governo federal canadense pretende fazer em breve novo aporte significativo no capital da empresa para assegurar a viabilidade da nova linha aviões C-Series e sua colocação no mercado a preços artificialmente reduzidos", diz a nota.
O Brasil sustenta que esse apoio financeiro "tem afetado as condições de competitividade no mercado, "de maneira incompatível com os compromissos assumidos pelo Canadá na OMC".
Os subsídios do governo canadense à Bombardier foram alvo de duras críticas por parte da Embraer ao longo do ano, uma vez que, segundo a empresa brasileira, o auxílio governamental permitiria à companhia canadense oferecer aviões com preço abaixo de custo no mercado - a Embraer suspeita, inclusive, que esse fator teria tirado os aviões de São José dos Campos do radar da aérea Delta, que optou pela Bombardier em uma compra de US$ 5,6 bilhões.
Questionado quanto à disputa com a Bombardier, o diretor-presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, afirmou em julho que um eventual acionamento da OMC caberia ao governo brasileiro e que, caso o Itamaraty optasse por esse caminho, teria o apoio da empresa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia