Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de dezembro de 2016. Atualizado às 13h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

19/12/2016 - 14h04min. Alterada em 19/12 às 14h06min

Taxa de desemprego permanece estável e nível ocupacional volta a se retrair na Região Metropolitana de Porto Alegre

FEE divulgou os dados de emprego e desemprego em coletiva nesta manhã

FEE divulgou os dados de emprego e desemprego em coletiva nesta manhã


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Leticia Bay
A Fundação de Economia e Estatística (FEE) divulgou na manhã desta segunda-feira (19), os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA) para o mês de novembro. De acordo com o levantamento, a taxa de desemprego total se manteve estável em relação ao mês de outubro, enquanto o nível ocupacional voltou a se retrair.
Já o rendimento médio real referente ao mês anterior apresentou variações positivas para os ocupados e para os assalariados. Além da FEE, a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), trabalham em conjunto na pesquisa.
O número total de desempregados, em novembro, foi estimado em 206 mil pessoas, 10,8% da População Economicamente Ativa, o que representa uma redução de 3 mil indivíduos em relação ao mês anterior. O resultado decorre da redução da ocupação (menos 25 mil pessoas, -1,4%) ter sido inferior ao número de pessoas que saíram do mercado de trabalho (menos 28 mil, -1,4%).
Para a economista Iracema Castelo Branco, Coordenadora do Núcleo de Análise Socioeconômica e Estatística da FEE, a retração do nível ocupacional é uma consequência da recessão econômica. “A saída de pessoas do mercado de trabalho tem arrefecido o crescimento da taxa de desemprego”, explica.
Com relação aos setores de atividade econômica, em novembro, houve queda do nível ocupacional na indústria de transformação (-7,6%), no comércio no comércio; no setor de reparação de veículos automotores e motocicletas (-2,3%), e na construção (-3,8%). Por outro lado, houve aumento nos serviços, com mais 14 mil ocupados (1,5%).
Em relação aos postos de trabalho assalariado, houve redução de 32 mil vagas (-2,7%) no setor privado e de 7 mil vagas no setor público (-3,5%). Novembro registra também retração dos empregos com carteira (menos 20 mil, ou -2,2%) e, em menor medida, do sem carteira (menos 4 mil, ou -4,2%).
A pesquisa também registrou aumento no emprego doméstico (4,1%), no item que reúne as demais posições, como empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração e profissionais liberais (1,1%) e entre os trabalhadores autônomos (0,4%).
Na comparação entre setembro e outubro de 2016, o rendimento médio real apresentou variação positiva tanto para o total de ocupados (0,9%) quanto para os assalariados (0,4%). O salário médio é de R$ 1.860 reais.

Taxa de desemprego na RMPA aumentou no ano

A taxa de desemprego total na RMPA aumentou de 10,2% para 10,8% da População Economicamente Ativa, entre novembro de 2015 e novembro de 2016. Na comparação anual, o contingente de desempregados aumentou em 11 mil pessoas. Esse resultado deve-se à redução do nível de ocupação ter sido superior à saída de pessoas do mercado de trabalho da Região. Na comparação de 12 meses houve decréscimo de 0,9% no nível ocupacional.
Entre outubro de 2015 e outubro de 2016, houve redução dos rendimentos médios reais de ocupados (-10,3%), assalariados (-5,1%) e autônomos (-8,7%).
Para a economista Iracema Castelo Branco, diante do cenário de fraco crescimento econômico para 2017, a tendência é de que a taxa de desemprego se mantenha elevada. “Essa conjuntura reforça a necessidade de um acompanhamento sistemático dos indicadores do mercado de trabalho, realizada, há 25 anos, pela FEE e parceiros, através da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA)”, ressalta a economista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia