Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 16/12 às 16h42min

Aneel abre audiência pública para novos valores de bandeiras tarifárias em 2017

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta sexta-feira, 16, a abertura de audiência pública para o sistema de bandeiras tarifárias em 2017, com os valores para cada cor e faixa do regime, que cobra um adicional nas contas de luz sempre que o custo da geração de energia aumenta no País.
A proposta da Aneel, que deve entrar em vigor em fevereiro de 2017, aumenta o valor da bandeira amarela de R$ 1,50 por 100 quilowatts/hora (kWh) consumidos, para R$ 2,00 por 100 kWh.
Já o valor do primeiro patamar da bandeira vermelha deve continuar em R$ 3,00 por 100 kWh consumidos.
E, no sentido contrário, para o segundo patamar da bandeira vermelha, acionado quando a maior parte das usinas térmicas do País estão sendo usadas, o adicional nas contas de luz deve cair de R$ 4,50 por 100 kWh para R$ 3,50 por 100 kWh.
Em 2016, a bandeira vermelha vigorou nos meses de janeiro e fevereiro, enquanto os meses de março e novembro tiveram bandeira amarela. Nos demais meses, incluindo o atual dezembro, a bandeira ficou no verde, que não traz cobrança adicional nas contas de luz. Isso significa que os reservatórios das usinas hidrelétricas - que geram energia mais barata - estão em níveis adequados.
A audiência pública para os novos valores das bandeiras tarifárias irá de 19 de dezembro deste ano a 20 de janeiro de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia