Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 14/12 às 17h55min

Fed eleva estimativa de PIB dos EUA em 2016 e taxa de desemprego

O Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) elevou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos para este ano para 1,9% em relação à projeção feita na reunião em setembro, quando a estimava foi de 1,8%.
Além disso, em 2017, a economia do país deve crescer 2,1%, ante estimativa de setembro de 2,0%, enquanto a previsão de expansão para 2018 permaneceu em 2,0% e a de 2019 subiu para 1,9%, de 1,8% estimado anteriormente. Para o longo prazo, a taxa média de crescimento permaneceu em 1,8%.
Em relação ao emprego, as autoridades do Fed esperam progresso nos postos de trabalho nos próximos anos. Eles acreditam que a taxa de desemprego, que atualmente está em 4,6%, termine o ano de 2016 em 4,7%.
Por outro lado, a expectativa com a taxa de desemprego para 2017 recuou de 4,7% para 4,5%, a mesma projeção para os anos de 2018 e 2019. A estimativa da taxa de desemprego no longo prazo permaneceu em 4,8%.
O Fed elevou a previsão de inflação em 2016 para 1,5% em relação a projeção de setembro (+1,3%). Para 2017, a estimativa permaneceu em 1,9% e para 2018 e 2019, a projeção ficou mantida em 2,0%. A projeção no longo prazo também continuou em 2,0%.
Para 2016, a previsão do Fed para o núcleo da inflação ficou em 1,7%. Para 2017, ele continuou em 1,8% e para 2018 ela permaneceu em 2,0%. Para 2019, a taxa continuou em 2,0%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia