Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de dezembro de 2016. Atualizado às 13h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

14/12/2016 - 14h30min. Alterada em 14/12 às 14h32min

IIF corta previsão para PIB do Brasil em 2017

O otimismo sobre a capacidade do governo brasileiro, encabeçado pelo presidente Michel Temer, de lançar políticas para estimular a economia se reduziu e a frágil situação política no Brasil pode afetar a recuperação da atividade em 2017, afirma o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, com sede em Washington.
O IIF cortou a projeção para o crescimento do Brasil em 2017, de expansão esperada em setembro de 1,5% para 1%. Mesmo com o corte, a previsão está acima da média do mercado financeiro brasileiro, que vê o Produto Interno Bruto (PIB) avançando 0,7% no ano que vem, de acordo com o Relatório de Mercado Focus, do Banco Central, da última segunda-feira (12).
O cenário para o Brasil vai depender do cenário político interno e das políticas dos Estados Unidos adotadas por Donald Trump, ressalta o relatório do IIF. "Reduzimos nossas projeções de crescimento para o Brasil e a Argentina, pois estamos menos otimistas que seus governos serão capazes de impulsionar as políticas necessárias para apoiar as recuperações após as contrações do PIB este ano", afirma o IIF.
O IIF espera que o real continue se desvalorizando em 2017, com o dólar chegando a valer R$ 3,60 em dezembro. Já a Selic pode ter queda mais rápida, recuando para 12% no primeiro trimestre de 2017 e caindo para 10% na parte final do ano que vem. A inflação em 2017 pode cair abaixo de 5% e se aproximar do centro da meta do Banco Central, ficando em 4,7%, ressalta o relatório.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia