Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 11h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Geração de energia eólica no País cresce 52,7% de janeiro a outubro, diz CCEE

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) informou que a geração de energia eólica no Sistema Interligado Nacional (SIN) cresceu 52,7% de janeiro a outubro de 2016 ante o mesmo período do ano passado, de 2.343 MW médios para 3.577 MW médios.

A geração total das usinas do SIN, por sua vez, alcançou 61.517 MW médios entre janeiro e outubro de 2016, montante 0,4% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram produzidos 61.258 MW médios, segundo o boletim InfoMercado mensal da CCEE.

A fonte hidráulica, que engloba usinas hidrelétricas de pequeno e grande porte, também teve incremento na produção e registrou 45.535 MW médios, volume de energia 7% superior ao registrado em 2015, quando as usinas desse tipo de fonte geraram 42.559 MW médios. Já a geração térmica (12.404 MW médios) teve um desempenho 24,1% inferior ao alcançado no ano passado, quando as usinas dessa modalidade geraram 16.334 MW médios.

Na geração eólica por Estado, os dados consolidados da CCEE indicam que o Rio Grande do Norte permanece como maior produtor do País, com 1.580 MW médios em outubro, aumento de 49,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Em seguida, aparece o Ceará, com 922 MW médios (23,2%) produzidos, a Bahia, com 824 MW médios (52,9%), e o Rio Grande do Sul, que alcançou 760 MW médios (33,1%) no mês de outubro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia