Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 10h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

Produção de motos cai 1,7% em novembro, diz Abraciclo

A produção de motos no Brasil caiu 1,7% em novembro ante outubro, para 70.320 unidades, informou nesta terça-feira (13), a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). Na comparação com novembro do ano passado, a queda é de 6,2%.

Com os resultados, o segmento acumula, de janeiro a novembro, a produção de 854.839 motocicletas, retração de 29,5% em relação a volume alcançado em igual intervalo de 2015. A expectativa da Abraciclo é que o ano termine com a fabricação de 890 mil unidades, o que representa recuo de 29% ante o número de 1,26 milhão de motocicletas produzidas no ano passado.

"A produção de motocicletas em 2016 voltou a níveis de 2002, demandando ajustes na estrutura de toda a cadeia produtiva, fornecedores, fabricantes e concessionárias", disse o presidente da associação, Marcos Fermanian. Para 2017, a previsão da Abraciclo é de que a produção suba 2,2% em relação a este ano, para 910 mil unidades.

Apesar da queda na produção em novembro ante outubro, as vendas nas concessionárias subiram 10,5% nesta comparação, com 69.122 emplacamentos registrados. A melhora, no entanto, não foi suficiente para reverter a baixa de 26,7% que se acumula nas vendas de janeiro a novembro, para 1,116 milhão de unidades.

"Assim como ocorreu com a maioria dos setores econômicos, as incertezas do mercado e da política impactaram negativamente no desempenho dos negócios. O poder de compra do consumidor continua sendo corroído pela inflação, assim como sua confiança parece permanecer abalada diante da falta de expectativas positivas", comentou Fermanian. A projeção para o ano que vem é de uma nova retração no varejo, de 1,1%.

No atacado, as vendas de motocicletas ficaram praticamente estáveis em novembro ante outubro, com 59.136 unidades, mas caíram 16,2% sobre o volume de novembro do ano passado. De janeiro a novembro, no entanto, as vendas acumulam queda de 28,5%, para 801.563 unidades.

As exportações, por sua vez, apresentaram resultado abaixo do esperado pela associação em novembro. As vendas para o exterior somaram 3.957 unidades no penúltimo mês do ano, retração de 19,4% ante o nível de outubro. No acumulado do ano, a baixa é de 16,7%, com 52.620 embarques registrados.

A previsão é terminar 2016 com a exportação de 56 mil motos, queda de 19% ante 2015. Para o ano que vem, a expectativa é avançar 66,1% em relação a 2016, para 93 mil unidades.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia