Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Dinheiro

Alterada em 12/12 às 21h00min

Casa da Moeda cumpre plano de fornecimento de cédulas para o BC em 2016

A Casa da Moeda informou nesta segunda-feira (12), que o Plano Anual de Produção (PAP) de cédulas e moedas em 2016, contratado junto ao Banco Central, foi cumprido em sua totalidade. A empresa pública, que vinha enfrentando dificuldades de produção, afirmou ter cumprido o compromisso de fabricar 1,05 bilhão de cédulas e 600 milhões de moedas de real este ano.
A informação sobre o cumprimento do PAP surge em meio à desconfiança quanto à capacidade de a Casa da Moeda atender às necessidades do Banco Central. Em 2011, a empresa havia produzido 2,47 bilhões de cédulas para suprir a demanda. No ano passado, foram apenas 954 milhões.
Preocupado com o abastecimento de cédulas, o governo decidiu editar em setembro a Medida Provisória (MP) 745, autorizando o Banco Central a comprar papel moeda no exterior. A medida, assinada pelo presidente Michel Temer, seria uma alternativa para o caso de a Casa da Moeda não conseguir produzir o número de notas necessário para abastecer o meio circulante, inclusive este ano.
Na época da edição da MP, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou ter recebido carta da Casa da Moeda informando que não atenderia 27% do suprimento de cédulas em 2016.
Na semana passada, o plenário da Câmara aprovou a MP, apesar das críticas vindas de parlamentares da oposição, que questionavam a possibilidade de compra de papel moeda de fornecedores estrangeiros. A matéria seguiu para o Senado.
De acordo com a Casa da Moeda, o problema começou a ser resolvido no início de setembro, quando o presidente da empresa, Alexandre Cabral, e um diretor foram autorizados pelo Ministério da Fazenda a visitar fabricantes de máquinas na Alemanha, com o objetivo de restabelecer contratos de manutenção.
"A partir daí, o PAP de 2016, contratado com o Banco Central, pôde ser cumprido em sua totalidade, antes do final do ano", informou a Casa da Moeda. Já o PAP de 2017, conforme a empresa, pode ser definido ainda esta semana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia