Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 13/12/2016. Alterada em 12/12 às 22h39min

Fecomércio pede parceria da Assembleia para combater comércio ilegal

O enfrentamento ao comércio ilegal, que movimentou R$ 61 bilhões no Rio Grande do Sul em 2015, foi abordado ontem pelo vice-presidente da Fecomércio, André Roncatto, em reunião do Grupo Especial de Acompanhamento de Debates (Gead) sobre combate à informalidade, contrabando e pirataria, atividade do Fórum Democrático de Desenvolvimento da Assembleia Legislativa. A Carta de Intenções aprovada pelo grupo, solicitando a parceria da Assembleia no combate à informalidade, será encaminhada à presidente, deputada Silvana Covatti (PP).
André Roncatto, que também é presidente do Sindiótica, mostrou a mobilização de 112 sindicatos da base da Fecomércio empenhados para enfrentar o problema, que invade as residências por meio de produtos ilegais que vão dos óculos de sol aos medicamentos, desinfetantes clandestinos, calçados falsificados e peças de veículos. No ramo ótico, 60% do comércio de óculos de proteção solar é dominado pelo comércio ilegal. No contrabando, que absorveu R$ 115 bilhões em 2015 no País, o cigarro é o líder das vendas irregulares, 67,44%, seguido pelos produtos eletrônicos, 15,42%; informática, 5,04%; e medicamentos, 0,85%. A lista de produtos vendidos na ilegalidade registra ainda perfumes, relógios, vestuário, bebidas, brinquedos e óculos de grau.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia