Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 09/12 às 20h48min

Bolsas de Nova Iorque têm novo recorde de fechamento

As bolsas de Nova Iorque terminaram em alta nesta sexta-feira (9), com os três índices renovando recordes de fechamento, impulsionados pelo setor de saúde e de consumo, após indicador positivo de sentimento do consumidor. Os investidores seguem otimistas também com os planos de Donald Trump de cortar impostos e elevar gastos públicos, ao passo que aguardam reunião do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) na semana que vem.
O índice Dow Jones terminou em alta de 0,72%, aos 19.756,85 pontos; o Nasdaq ganhou 0,50%, aos 5.444,50 pontos; e o S&P 500 avançou 0,59%, aos 2.259,53 pontos, atingindo ganho semanal de mais de 3%, a melhor série desde junho de 2014. As bolsas tiveram o melhor ganho semanal desde a eleição de Trump, com o Dow Jones em alta de 3,06%, Nasdaq com acréscimo de 3,59% e o S&P 500 com avanço de 3,08%.
Mesmo depois de as bolsas renovarem os recordes ontem, os investidores mostraram que estão dispostos a continuar a compra de ações, ao mesmo tempo em que aumenta a expectativa para a reunião na semana que vem do Fed. Também no radar de Wall Street está uma reunião de países produtores de petróleo, que acontece amanhã.
Os investidores já dão como certo um aumento na taxa de juros dos EUA na semana que vem, mas aguardam com expectativa pelas sinalizações que o banco central poderá dar sobre a quantidade de elevações nas taxas em 2017 e 2018, o que tem impulsionado as ações de bancos. O Bank of America e o JP Morgan avançaram 0,61% e 0,43%, respectivamente.
Desde a eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA, os investidores têm se animando com a perspectiva de corte de impostos e aumento de gastos para estimular a atividade econômica. Diante disso, o índice Dow Jones marcou seu 14º recorde desde a vitória de Trump, dia 8 de novembro. Segundo analistas, o otimismo generalizado tem ocorrido porque as empresas estão cada vez mais certas que pagarão menos impostos. Hoje, as ações do setor de saúde foram os destaques, com a Pfizer terminando com ganho de 2,46%.
Entre os indicadores do dia que impulsionaram as ações de consumo, a Universidade de Michigan divulgou o índice de sentimento do consumidor, que subiu para 98,0 na leitura prévia de dezembro, de 93,8 no resultado final de novembro. A previsão dos analistas era de alta menor, a 94,8.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia