Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/12/2016 - 19h10min. Alterada em 09/12 às 19h11min

Dólar fecha em queda com fluxo e apuração de lucro antes de semana pesada

O dólar passou a tarde desta sexta-feira, 9, em baixa, após manhã de alta. Exportadores e algumas tesourarias puxaram um movimento de venda no mercado à vista e a queda de preço até mínima, aos R$ 3,3536 (-0,76%) depois das 13 horas. O firme avanço do petróleo e ausência de novidade no cenário político local induziram as ofertas, segundo operadores de câmbio. "Houve uma realização de lucros acumulados antes da pesada agenda da próxima semana", disseram eles, citando a alta acumulada de quase 5% nos últimos 30 dias.
No fechamento, o dólar à vista estava em baixa de 0,25%, aos R$ 3,3713. O giro total registrado na clearing de câmbio somava US$ 1,918 bilhão. Na BM&FBovespa, o dólar futuro de janeiro de 2017 passou a subir no finzinho da sessão e fechou aos R$ 3,4005 (+0,10%), após ceder durante a tarde. No dia, oscilou 1,76%, da máxima pela manhã, aos R$ 3,4310 (+1.00%), até uma mínima no começo da tarde, aos R$ 3,3715 (-0,75%). O volume financeiro movimentado somou cerca de US$ 12,452 bilhões.
Antes de recuar à tarde, o dólar à vista havia subido até uma máxima de R$ 3,4099 (+0,89%) no mercado à vista pela manhã. A princípio, foram os importadores que compraram, dada a perda acumulada frente o real, de 2,65% nas últimas quatro sessões, de acordo com o gerente de uma gestora de recursos.
Essa demanda inicial amparou-se também na alta do dólar no exterior, que persistiu o dia todo, em razão das apostas na elevação do juro na reunião do Federal Reserve, na próxima quarta-feira, afirmou o mesmo gerente.
Um diretor de uma corretora em São Paulo viu ainda, durante a manhã, algumas compras para proteção tendo em vista a expectativa com os depoimentos das delações da Odebrecht nos próximos dias. As delações já começaram, mas há especulações de que a maior parte dos depoimentos poderá ocorrer na semana que vem. Essa expectativa também teria apoiado demanda pelo dólar janeiro no fim do dia, afirmou o profissional. No começo da semana que vem, a PEC que trata da reforma da Previdência deve ter parecer lido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A votação do relatório na Casa deve ocorrer até quarta-feira.
Em relação ao mercado cambial, o Banco Central já informou que fará na segunda-feira oferta de até 9.995 contratos de swap tradicional (cerca de US$ 500 milhões), para rolagem do vencimento de contratos de janeiro. Há expectativas se o Banco Central fará ou não leilão de linha em algum momento ao longo deste mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia