Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de dezembro de 2016. Atualizado às 07h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

08/12/2016 - 15h53min. Alterada em 08/12 às 16h05min

Desempenho industrial gaúcho tem segunda queda seguida e bate novo recorde negativo

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) gaúcho apresentou em outubro sua segunda queda consecutiva, retomando a tendência negativa depois de um breve período de estabilidade nos quatro meses anteriores. Em outubro, o IDI-RS caiu 1% em relação a setembro, renovando pela terceira vez no ano o recorde negativo da série iniciada em janeiro de 2003. 
Divulgados pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) registra queda, todos os indicadores que compõem o índice caíram ante o mês anterior, com ajuste sazonal, com exceção do emprego, que subiu 0,2%. O faturamento real apresentou redução expressiva (-3,7%), assim como as compras industriais (-1,5%). Já as horas trabalhadas (-0,7%), a massa salarial real (-0,5%) e a utilização da capacidade instalada (-0,2 p.p.) mostraram quedas menos intensas.
"A recessão no setor industrial segue forte. Influenciada, especialmente, pelos baixos níveis de investimentos e consumo e pelo pouco dinamismo das exportações", avalia o presidente da Fiergs, Heitor José Müller. Apesar do resultado ruim, alerta Müller, a nova queda da atividade industrial em outubro não elimina a expectativa de alguma reação nos próximos meses. "Isso ocorre sob influência da projeção de crescimento econômico em um quadro de base reprimida. Além disso, estoques ajustados, melhora na confiança, ociosidade elevada, juros e inflação declinantes também contribuem", diz. Porém, sem vetores para impulsionar esse processo deverá ser muito lento, próximo da estagnação.
Quando o IDI-RS é analisado em relação ao mesmo mês do ano anterior, o saldo também é decepcionante para a indústria gaúcha. O Índice de Desempenho Industrial mostrou a 32ª contração consecutiva, de 7,3%, que alcança -6,7% em termos acumulados ante o período de janeiro a outubro de 2015. Todos os indicadores exibem quedas no ano: o faturamento real (-11,7%), as compras industriais (-7,5%), as horas trabalhadas (-5,9%) e a UCI (-0,4 p. p.), o emprego (-7,8%) e a massa salarial real (-9%).
De janeiro a outubro de 2016, o recuo da atividade atingiu 16 dos 17 segmentos industriais abrangidos pela pesquisa. Os destaques negativos foram as indústrias de Máquinas e equipamentos (-11,9%), Veículos automotores (-11,6%), Produtos de metal (-10,5%), Móveis (-14,4%), Tabaco (-10,8%) e Alimentos (-3,1%).
O Índice de Desempenho Industrial é uma publicação mensal cujo objetivo é medir o nível da atividade da indústria de transformação. Os componentes avaliados são Faturamento, Horas Trabalhadas na Produção, Utilização da Capacidade Instalada, Compras Totais, Emprego e Massa salarial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Erinaldo A. J. Silva 08/12/2016 18h23min
Na verdade, o dirigente da Fiergs não está otimista. Quem poderia estar? A nível estadual, todas as classes, inclusive as constituídas de pessoas de maior nível intelectual, percebem a incapacidade que Sartori tem de governar e atrair investimentos ao RGS.nPor outro lado a política econômica errada do governo federal, que segundo o banco Credit Suisse gerará um PIB ZERO e desemprego em 14% em 2017, poderá resultar numa convulsão social sem precedentes. Sem dúvidas, a direita não sabe governar.n