Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/12 às 20h41min

Dólar avança em Nova Iorque ante rivais, apoiado por expectativa de alta de juro nos EUA

O dólar subiu na comparação com os seus principais rivais nesta terça-feira, 6, apoiado nas expectativas de que o crescimento constante da economia americana pode forçar o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) a elevar as taxas de juros em um ritmo mais acelerado nos próximos anos.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 114,08 ienes, de 113,73 ienes na tarde de ontem, enquanto o euro recuava para US$ 1,0718, de US$ 1,0762.
Os investidores estão de olho na reunião de política monetária do Fed, que será encerrada no dia 14. Indicações de que a autoridade monetária está assumindo uma visão mais "hawkish" (favorável ao aperto monetário) sobre sua política pode fortalecer a divisa americana, uma vez que taxas maiores tornam a moeda mais atrativa para investidores em busca de rendimentos.
"A extensão na qual o dólar tem subido nos últimos meses pode precisar de uma afirmação hawkish por parte do Fed caso a divisa avance além das altas recentes", disse Omer Esiner, analista de mercado da Commonwealth Foreign Exchange.
O dólar disparou no mês passado, impulsionado por expectativas de que o governo do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, deve elevar os gastos fiscais e cortar impostos para impulsionar a economia, o que aumenta as perspectivas de um aperto monetário pelo BC.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia