Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de dezembro de 2016. Atualizado às 04h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/12 às 08h04min

Bolsa de Tóquio cai após referendo italiano gerar incertezas na Europa

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa nesta segunda-feira (5), após a vitória do "não" no referendo da Itália reforçar preocupações com riscos políticos na Europa.
O Nikkei, índice que reúne as ações mais negociadas na capital do Japão, caiu 0,82%, encerrando o dia a 18.274,99 pontos.
Ontem, o eleitorado na Itália rejeitou uma proposta de reforma constitucional do governo, levando o primeiro-ministro Matteo Renzi a anunciar sua renúncia e fortalecendo a posição de populistas contrários à permanência do país na zona do euro.
Papéis do setor financeiro e de exportadoras lideraram as perdas em Tóquio. O Mitsubishi UFJ Financial Group recuou 2,4%, a seguradora Dai-ichi Life Holdings teve queda de 1,9%, o fabricante de eletrônicos TDK caiu 2,6% e a montadora Honda cedeu 1,9%.
"Não dá para continuar impulsionar o mercado (japonês) quando há incertezas", comentou Katsunori Kitakura, estrategista do Sumitomo Mitsui Trust Bank.
A Europa está sujeita a um período prolongado de turbulências políticas, uma vez que há eleições previstas em 2017 na Alemanha, França e Holanda.
De qualquer forma, a queda vista hoje em Tóquio foi bem mais suave dos que as perdas registradas após a decisão do Reino Unido de votar por sua saída da União Europeia (o chamado "Brexit"), em junho, e a vitória do republicano Donald Trump na eleição presidencial dos EUA, no mês passado.
"Elas (as ações) não caíram muito", disse Mitsushige Akino, gestor chefe de fundos da Ichiyoshi Asset Management.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia