Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h45.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 14/12/2016. Alterada em 13/12 às 22h47min

Um bom dia

Ontem, o presidente Michel Temer (PMDB) fez uma ligação para parabenizar o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. De acordo com o Palácio do Planalto, Trump "cumprimentou Temer pelas reformas e medidas para promover o crescimento do Brasil". No Congresso, o Senado aprovava, por 53 votos a 16, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos. E em frente ao Congresso, havia mais policiais que manifestantes. No Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luís Roberto Barroso negou liminar a mandado de segurança impetrado por senadores da oposição para barrar a tramitação da PEC. "O Congresso Nacional, funcionando como poder constituinte reformador, é a instância própria para os debates públicos acerca das escolhas políticas a serem feitas pelo Estado", disse Barroso. Foi um dia bom para Temer. O bom dia foi no meio do inferno astral. Temer, citado já 43 vezes nas delações da Lava Jato, vê o seu governo ruir a cada dia. Partidos do centrão já estão pensando em desembarcar. O PSB gaúcho está sendo vanguardista. A legenda já anunciou que irá colocar em votação a saída da base.
Sem ficções
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia