Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 14/12/2016. Alterada em 13/12 às 21h53min

Elis

Respondendo à pergunta de Valter de Paula Soriano, publicada na coluna Palavra do Leitor, edição do Jornal do Comércio de 13/12/2016, sobre o filme Elis, Andreia Horta tem uma voz que não lembra nem de longe a voz intocável da cantora Elis Regina, a qual ela interpreta. Coube então aos responsáveis pela trilha sonora e mixagem de som fazer milagre para que nos momentos em que a atriz atuasse cantando nos palcos fossem, no mínimo, perfeitos. Embora a sincronização tenha saído perfeita, foi graças também ao empenho de Andreia, que conseguiu passar toda energia e gingado que Elis possuía. (Marcelo Castro Moraes, crítico de cinema, Porto Alegre)
Elis II
No filme Elis, com a vida da gaúcha Elis Regina, aqui da Vila do IAPI, é dado a entender que ela morreu por ter ingerido uma grande dose de uísque com drogas. Assim, teria seguido o destino de outros artistas famosos, como Elvis Presley, Marilyn Monroe e, recentemente, Robim Willians. Parece que o sucesso prejudica, e não auxilia, a vida de muita gente famosa. (Julieta Monteiro, Canoas/RS)
Integração
Impressionante como o cinema norte-americano, através de Hollywood, ajudou na integração dos negros daquele país. Hoje, não se vê um filme que não tenha atores negros e, geralmente, fazendo papeis de "mocinhos". Antes, quase sempre atuavam como "bandidos". Aqui no Brasil, raramente se vê um artista de novela negro, menos ainda nos telejornais, muito apreciados. Está na hora de colocar negros com boa dicção para apresentar notícias, e não apenas as condições do tempo. (Rosário Antunes, Porto Alegre)
Inter
Não sou colorado, mas não compactuo com o desânimo que se abateu sobre a torcida por causa do rebaixamento. Primeiro, que isso faz parte do regulamento e dá até motivação. Segundo, que o maior rival, o Grêmio, também caiu e voltou. Ser campeão da Série B também é motivo de superação e mais uma taça para ser colocada na estante dos títulos. (Luiz Carlos Ferraz, Porto Alegre)
Inter II
Está um exagero a tristeza dos colorados pelo rebaixamento. E é previsível, faz parte das regras do campeonato, e disputar a Série B não é nenhuma vergonha. E, acreditem, não sou gremista nem colorado, neste Estado bobamente marcado pela grenalização de tudo, o que só nos tem atrasado. Sou Brasil de Pelotas, do Xavante, com muito orgulho. E será na Série B que nós encontraremos o Internacional. Um baita jogo, antecipo. Até lá! (Cacau Neves, Pelotas/RS)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia