Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de novembro de 2016. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 30/11/2016. Alterada em 30/11 às 01h05min

Texto-base de pacote anticorrupção é aprovado

Iniciativa com o respaldo popular teve apoio de 450 deputados; destaques à matéria podem alterar o texto

Iniciativa com o respaldo popular teve apoio de 450 deputados; destaques à matéria podem alterar o texto


LUIS MACEDO/Câmara dos Deputados/Divulgação/JC
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no início da madrugada desta quarta-feira, o texto-base do projeto das medidas de combate à corrupção que veio da comissão especial que discutiu o tema.
Até o fechamento desta edição, à 1h da madrugada, os parlamentares seguiam apreciando emendas e destaques, que podem alterar trechos importantes do pacote.
O texto-base foi aprovado por 450 votos favoráveis, apenas um voto contra - do petista Zé Geraldo (PA) - e três abstenções. Todos os partidos orientaram voto a favor do projeto.
O deputado federal gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM) foi mantido na relatoria do projeto e rejeitou as emendas apresentadas no plenário. Ele admitiu a constitucionalidade da proposta de criação do crime de abuso de autoridade de magistrados e membros do Ministério Público, mas ressaltou que é contra o mérito da emenda.
Onyx disse que a criminalização de desrespeito a prerrogativas dos advogados incluiria um desequilíbrio no mercado profissional brasileiro, já que esta seria a única profissão que poderia processar uma outra pessoa por desrespeito às violações dos cargos.
"Por que a desatenção à prerrogativa do advogado seria crime se nenhuma outra profissão tem esse tratamento, inclusive parlamentares? É desarrazoado, criaria uma casta intocada no País. Não há condição de dar curso a isso", disse.
O parlamentar do DEM, no entanto, destacou que incluiu no relatório outras três demandas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB): o equilíbrio entre acusação e defesa nas audiências, colocando as categorias no mesmo nível; a ampliação da ação popular; e a criminalização do exercício ilegal da advocacia.
A proposta central tem origem no pacote 10 medidas contra a corrupção, do Ministério Público Federal. O texto teve o apoio de milhões de brasileiros. Mesmo assim, houve tentativa dos deputados, na semana passada, de garantir a anistia a políticos beneficiados pela prática de caixa-2.
Antes da votação das emendas, Onyx disse ter "esperança" de que o seu parecer não sofreria grandes modificações, enterrando a ideia da anistia ao caixa-2.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia