Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de novembro de 2016. Atualizado às 23h22.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE

Notícia da edição impressa de 11/11/2016. Alterada em 10/11 às 21h19min

Entrega de unidades habitacionais é cobrada em assembleia do OP

Vice-prefeito eleito (em pé) defendeu desburocratização da prefeitura para resolver demandas de habitação popular

Vice-prefeito eleito (em pé) defendeu desburocratização da prefeitura para resolver demandas de habitação popular


PMPA/JC
Bruna Suptitz
O vice-prefeito eleito de Porto Alegre, Gustavo Paim (PP), participou na quarta-feira da assembleia temática do Orçamento Participativo (OP) com o tema Habitação, Organização da Cidade, Desenvolvimento Urbano e Ambiental. Ele lembra que participou pela primeira vez do OP em 2005, na mesma temática, quando era representante do Departamento Municipal de Habitação (Demhab). Em resposta às manifestações do público, voltou a defender a desburocratização da prefeitura, tema que foi pauta da campanha neste ano.
A maior parte das reivindicações diziam respeito à demora, por parte da prefeitura e da Caixa Econômica Federal, em liberar unidades habitacionais para os beneficiários cadastrados em programas sociais. O conselheiro Ronie Gomes comparou o público presente na plenária - 612 pessoas registradas - com o ano anterior, em que se reuniram mais de mil pessoas nessa temática. Para ele, a redução reflete um equívoco na relação entre a prefeitura e a Caixa.
"É lamentável que se demore para entregar esses empreendimentos. Sugiro que, conforme se vai construindo (as unidades habitacionais), já entregue, para não invadirem. Quem recebe cuida para não invadir as demais", propôs. A denúncia, apresentada também na manifestação da conselheira Marília Fidel, é de que "casas são invadidas por pessoas com condições financeiras, para vender. Dizem que as pessoas vão ficar com as casas, mas é mentira".
Emerson Gonçalves dos Santos, conselheiro reeleito na temática, aponta as demandas que o futuro governo deverá enfrentar, como áreas irregulares consolidadas e áreas ocupadas com reintegração de posse. Ele complementa com uma cobrança para a nova gestão, apontando que o a presidência da Caixa está com o PP, partido de Paim, e o ministério das cidades tem um nome do PSDB, partido do prefeito eleito Nelson Marchezan Júnior. "Vamos usar esses mecanismos para melhorar a relação com Porto Alegre", pediu.
O vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB), no encerramento da assembleia, defendeu que o planejamento urbano deve nortear as demandas apresentadas pelo público e disse que é preciso "construir cidades antes de construir casas". Foi eleita a chapa única de conselheiros da temática: Emerson Gonçalves dos Santos como primeiro titular, Marília Fidell com segunda titular, Felisberto Seabra Luisi e Nelson Tadeu Lemos Soares como suplentes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia