Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 21h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 03/11 às 22h09min

Temer enviará reforma da Previdência ao Congresso até fim do ano

Presidente está "decidido" a enviar o projeto ao Congresso até o fim de 2016

Presidente está "decidido" a enviar o projeto ao Congresso até o fim de 2016


ANDRESSA ANHOLETE/AFP/JC
Agência Brasil
O presidente Michel Temer informou que está "decidido" a enviar o projeto da reforma da Previdência ao Congresso Nacional até o fim deste ano. De acordo com o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, o conteúdo das mudanças nas regras da aposentadoria "está sendo estudado" pelo governo.
Assim como havia dito na semana passada , Parola disse que a reforma só será encaminhada aos parlamentares após "amplo diálogo" com trabalhadores, empresários e lideranças políticas. "O presidente da República ressalta que decidido está que o projeto da reforma da Previdência será enviado ao Congresso ainda este ano", disse o porta-voz.
Sobre o adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas escolas que estão ocupadas por estudantes, Parola disse que o Ministério da Educação está "preparado" para oferecer locais alternativos de provas. Nesta quinta-feira (3), a Justiça Federal no Ceará manteve a realização da prova no próximo final de semana para os demais estudantes, com exceção dos 191 mil jovens que fariam o exame em instituições ocupadas.
Segundo o porta-voz, os candidatos "terão seu direito de prestar o Enem prejudicado pelas ocupações". Ele informou que, para Temer, o diálogo e a busca de "pacificação nacional são pilares fundamentais de seu governo", e os setores de educação e saúde "são prioridades que não serão afetadas" pela proposta que limita o crescimento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos.
Parola deu as declarações após o presidente participar de uma reunião sobre a tragédia ambiental ocorrida há um ano em Mariana (MG). O porta-voz respondeu também a questões enviadas por jornalistas sobre as denúncias de envolvimento do ministro das Relações Exteriores, José Serra, e do senador Romero Jucá na Operação Lava Jato.
De acordo com Parola, o governo não interfere nas investigações e respeita a independência e harmonia entre os Três Poderes. "É importante observar que os processos em curso têm ritos, exigências e prazos próprios ao longo dos quais se preserva a presunção de inocência de todo cidadão", disse o presidente, por meio de Parola.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia