Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 24/11/2016. Alterada em 24/11 às 00h51min

Sem conhecimento, sem futuro

Adalmir Antonio Marquetti
A Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, a FEE, está sob risco de extinção. Em seus 43 anos, a fundação acumulou grande conhecimento sobre a realidade socioeconômica do Estado. O fechamento da instituição terá um elevado custo para a sociedade gaúcha. Três são as contribuições fundamentais da FEE para o Estado.
Primeira, a fundação desenvolveu diversos indicadores econômicos e sociais sobre a realidade gaúcha. Relaciono o cálculo do PIB estadual e dos municípios, as estimativas populacionais e o Indicador de Desenvolvimento Econômico e Social. Segunda, a FEE produziu uma análise fundamental para compreender o Rio Grande do Sul e suas regiões. Terceira, ela desempenha um papel fundamental na formação de pessoas que atuam no setor privado, nas universidades e no setor público do Rio Grande do Sul. Os alunos e estudiosos aprendem com o material produzido na instituição. Diversas pessoas de destaque no setor privado e público tiveram parte de sua formação na FEE. Entre essas estão a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a senadora Ana Amélia Lemos (PP) e a ex-reitora da Ufrgs Wrana Panizzi.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia