Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 07h18.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 18/11/2016. Alterada em 17/11 às 21h16min

Um "compliance" para o Brasil

Gilberto Fontoura
No Brasil atualmente vivenciamos a era da ética, do vamos mudar pra melhor, agora evoluiremos, seremos civilizados, fala-se em ética e moralização, leis e mais leis anticorrupção, como se o País estivesse renascendo das cinzas e não tivemos ordenamentos jurídicos capazes de controlar a corrupção desenfreada que estamos passando. Surgem leis e mais leis, como se isso fosse resolver nossos problemas da noite para o dia, falta regular isso, falta regular aquilo.
Usa-se o direito comparado e busca-se soluções milagrosas, sempre querendo colocar um motor de jaguar num fusca, para simplificar o meu raciocínio. A palavra "compliance", surgida nos Estado Unidos, virou "modinha". Agora todos precisarão de um programa de "compliance" começando pelo Brasil. O propósito é de prevenção dos chamados delitos econômicos empresariais através de uma autorregulação regulada, exatamente para evitar essa "confusão" ocorrida no Brasil republicano, onde o público e o privado criaram uma simbiose quase perfeita, muitos até confundiram o que era público e o que era privado.
No entanto, o Código de Ética brasileiro tem de atender o que os nortes americanos chamam de "top dow", ou seja, tem que vir de cima para baixo. O cumprimento tem que começar por quem manda, começar pelo "chefe". O "chefe" tem que dar o exemplo e a partir daí estender aos demais membros da organização Brasil, seja nas empresas privadas ou públicas. Em todas as esferas sociais. Não existe ética de baixo para cima, "a tropa é o espelho do chefe", velha máxima da Cavalaria. Ética, respeito, comprometimento por um Brasil melhor tem que ser assumido por todos, indistintamente, senão seremos sempre o "país do futuro".
Criminalista
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Sebastião Ivan Fischer 22/11/2016 20h41min
O que melhor entendi, ( se é que entendi ) foi o tal de " TOP DOW". A grande diferença é que na América do Norte, o de CIMA PARA BAIXO vem sempre com clareza e honestidade . No Brasil, " O TOPI DAU ", há mais ou menos 15 anos vem numa enorme CONFUSÃO BOM E COM UMA IMENSA DESONESTIDADE .