Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de novembro de 2016. Atualizado às 02h09.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 09/11/2016. Alterada em 09/11 às 01h37min

Que educação queremos?

Jocelin Azambuja
Estamos todos questionando os resultados da educação em nosso País, Estado e municípios pela baixa qualidade que apresenta, associada a uma escola cercada pela violência; as interferências externas da internet em nossa juventude; o pouco envolvimento dos pais; o uso político com ideologias interferindo no processo educativo; a falta de investimentos, professores com baixa remuneração, enfim um quadro de UTI como nos mostram os índices de Educação Básica publicados nos últimos dias, de avaliações como Enem, Ideb e outros.
Todos os resultados confirmam a baixa qualidade da educação que nossas crianças e adolescentes estão recebendo, com honrosas exceções, ilhas de escolas ou municípios que respiram um pouco melhor. Os resultados do Ensino Médio de repente preocupam mais. O MEC com seu novo ministro resolve tomar medidas rápidas através de uma PEC para buscar soluções mais eficientes no Ensino Médio. Bem-intencionados? Talvez! Mas sem a devida sensibilidade do encaminhamento de suas propostas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia