Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de novembro de 2016. Atualizado às 10h32.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 08/11/2016. Alterada em 08/11 às 11h33min

Ser professor

Leci Maria Soriano Bobsin Corrêa
Docente, educador, instrutor, mestre, professor, ou qualquer outro título dado àquele que transmite o conhecimento, deve ter o compromisso não somente com o ensino, mas também com a construção de um futuro melhor para a sociedade.
Ser professor é também aprender com as diferenças dos alunos e crescer com elas. Compartilhar saberes é ainda criar laços e construir sujeitos com discernimento, na busca de uma sociedade com menos intolerância, preconceito e individualismo.
O ofício do ensino requer empenho e dedicação do educador e do educando, mas também dos governantes, que precisam ter a consciência de que o desenvolvimento humano e econômico de qualquer país passa necessariamente pela educação.
O ofício de ensinar é também saber ouvir, entender, dialogar, debater e disseminar a criatividade dos discentes. Neste sentido e nas palavras de Albert Einstein, "a suprema arte do professor é despertar a alegria na expressão criativa do conhecimento, dar liberdade para que cada estudante desenvolva sua forma de pensar e entender o mundo, assim criamos pensadores, cientistas e artistas que expressarão em seus trabalhos aquilo que aprenderam com seus mestres".
Professora, administradora e graduanda em Psicologia
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia