Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de novembro de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 03/11/2016. Alterada em 03/11 às 00h49min

É preciso um olhar diferente da economia

Ademar Schardong
Levará de quatro a cinco anos para o País reagir ao equilíbrio fiscal decorrente das medidas que estão sendo formuladas pelo Poder Executivo e em fase de discussão no Congresso Nacional, pressuposto para a redução significativa das taxas de juros e retomada do crescimento econômico. Até lá, empresários e executivos financeiros terão de adotar um olhar diferente da economia. Este período exigirá esforço redobrado na gestão de custos e ganhos de produtividade nas empresas, bem como de inovação no processo de financiamento das atividades operacionais e de expansão.
A necessidade de conter o déficit bilionário do setor público e rever o atual modelo de previdência certamente acarretará redução do subsídio das linhas de crédito de longo prazo operadas pelo Bndes e nos diversos programas de incentivo ao desenvolvimento, reduzindo a capacidade do Estado em fomentar diretamente o crescimento econômico no curto prazo.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia