Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 15h28.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

28/11/2016 - 16h28min. Alterada em 28/11 às 16h29min

Atirador é morto após deixar nove feridos em universidade de Ohio

Polícia permanece no local e pediu que os moradores de Columbus permanecessem distantes da instituição

Polícia permanece no local e pediu que os moradores de Columbus permanecessem distantes da instituição


Paul Vernon/AFP/JC
Agência O Globo
Pelo menos dez pessoas ficaram feridas na Universidade de Ohio (Ohio State), nos EUA, depois que um homem armado abriu fogo na instituição nesta segunda-feira. O suspeito foi morto por um guarda do campus e a ameaça foi contida, segundo autoridades. De acordo com um porta-voz da instituição, há vítimas esfaqueadas e outras que foram atropeladas. A polícia local não informou a identidade do atirador.
A universidade enviou um alerta para que professores e alunos ficassem escondidos dentro do campus porque havia um atirador à solta. Depois de alguns minutos, a ordem de confinamento foi levantada e o local está seguro, segundo autoridades, embora alguns edifícios da instituição continuem fechados. A polícia permanece no local e pediu que os moradores de Columbus permanecessem distantes da instituição.
O tiroteio foi relatado em Watts Hall, edifício no coração da universidade, que abriga programas de engenharia e de ciências. Homens da Swat fortemente armados foram vistos subindo uma escada de uma garagem de estacionamento. O Corpo de Bombeiros confirmou que oito pessoas foram levadas a hospitais da região, uma delas em estado crítico.
As informações ainda são desencontradas. Outros relatos afirmam que havia dois atiradores, enquanto a polícia buscava a pista de que houvesse participação de um segundo homem.
Dentro das salas de aula, estudantes montaram barricadas com cadeiras após serem avisados de que deveriam se manter escondidos. A professora brasileira Leila Vieira, 29 anos, dava aulas de português para oito alunos quando uma mensagem apareceu no computador: "Alerta de emergência! Fique em um lugar seguro".
"Fechei a porta da sala e disse para meus alunos procurarem informações na internet", disse a professora ao G1, ainda sob barricadas. "Estou nervosa, mas acho que dos lugares que eu poderia estar no campus, onde eu estou é um dos mais seguros (...) Minha sala é no porão e sem janelas, estamos isolados."
Às 10h35m (horário local), quase 40 minutos após os disparos, a conta da universidade no Twitter pediu aos alunos que "Corressem, se escondessem e lutassem". A mensagem na conta da Ohio State, que fica em Columbus, também afirma que os estudantes evitem ir para a escola.
"Continuem a se abrigar na área do campus norte. Siga as instruções da polícia no local".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia