Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de novembro de 2016. Atualizado às 22h03.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Religião

Notícia da edição impressa de 22/11/2016. Alterada em 21/11 às 22h44min

Papa torna permanente poder de padres de perdoar 'pecado do aborto'

O Papa Francisco anunciou ontem que todos os padres poderão absolver o "pecado do aborto", tornando permanente uma medida temporária que foi instituída para o Ano da Misericórdia, que se encerrou no domingo. "Para que nenhum obstáculo se interponha entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, de agora em diante, concedo a todos os sacerdotes, em razão de seu ministério, a faculdade de absolver a quem tenha procurado o pecado do aborto", escreveu o Papa em uma carta apostólica.
Antes do Ano da Misericórdia, apenas um bispo ou um confessor-chefe designado de uma diocese poderia conceder a absolvição por um aborto. A mudança ganha importância quando se considera que a Igreja Católica inclui o aborto em uma restrita lista de crimes particularmente graves, que provocam a excomunhão automática. Isso significa que, quando uma mulher faz um aborto, ela já se encontra, em virtude do próprio ato e sem necessidade de julgamento ou declaração, excomungada. Só o perdão de uma autoridade da Igreja pode trazê-la de volta à comunidade de católicos. Com a nova determinação, isso fica mais acessível.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia