Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 00h14.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 03/11/2016. Alterada em 02/11 às 20h36min

Parlamento suspende julgamento de Nicolás Maduro

Allup, presidente do Congresso, pediu solução negociada para a crise

Allup, presidente do Congresso, pediu solução negociada para a crise


RONALDO SCHEMIDT/AFP/JC
O Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, suspendeu, na terça-feira, o julgamento sobre a responsabilidade política do presidente Nicolás Maduro na crise do país. Os opositores também cancelaram uma marcha em direção ao Palácio Presidencial, em meio ao início de um diálogo com o governo, que estava marcada para hoje.
A suspensão da marcha ocorreu após Thomas Shannon, subsecretário de Estado dos Estados Unidos para assuntos políticos, se reunir com ambos os lados para tentar encontrar um acordo. A marcha foi vista como potencialmente explosiva. As forças da oposição têm sido impedidas de chegar ao Palácio de Miraflores desde 2002, quando uma grande marcha terminou com 19 mortes e a breve saída do antecessor de Maduro, Hugo Chávez. "Nós nos sentamos na mesa de negociações em busca de uma solução pacífica porque, até agora, em meio a tantos confrontos, não conseguimos nada", disse Henry Ramos Allup, líder da oposição e presidente do Congresso.
Diante de uma crise econômica marcada pela escassez de alimentos e remédios, os oponentes de Maduro estão pressionando por sua queda e uma revisão do modelo econômico. "A equipe de negociação da oposição está propondo que as autoridades realizem eleições gerais ao invés de esperar até 2019", disse Carlos Ocariz, líder do partido Primeiro Justiça. de oposição.
Os legisladores também disseram que iriam adiar o processo no Congresso contra Maduro até 12 de novembro, quando os negociadores avaliarão seus progressos na libertação de prisioneiros políticos e na restauração do poder no Congresso. Na semana passada, o Parlamento aprovou a abertura de um julgamento sobre a responsabilidade política de Maduro por quebra da ordem constitucional.
As negociações entre o presidente e a oposição, porém, tiveram um mau começo, depois que ele ameaçou mandar para a cadeia rivais que defenderem manifestações de rua. Maduro, em seu programa semanal de televisão na terça-feira, dirigiu seu aviso ao Partido Popular Will, que chamou de organização terrorista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia