Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de novembro de 2016. Atualizado às 09h13.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

acidente

29/11/2016 - 07h59min. Alterada em 29/11 às 10h13min

Avião com equipe da Chapecoense cai na Colômbia

O time disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, na quarta-feira

O time disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, na quarta-feira


REPRODUÇÃO/inforiente/twitter/jc
O avião que levava a delegação da Chapecoense para a Colômbia caiu nesta terça-feira (29) nas proximidades de Medellín, pouco antes de chegar ao seu destino. A aeronave, da companhia aérea Lamia, da Venezuela, tinha 81 pessoas à bordo. Veja a lista de passageiros.
Depois da informação inicial da autoridades da polícia colombiana da morte de 76 pessoas que estavam a bordo, o número subiu de cinco para seis sobreviventes. São eles: três jogadores (o lateral-direito Alan Ruschel e os goleiros Jackson Ragnar Follmann e Danilo Padilha, além do jornalista Rafael Henzel, da Rádio Oeste Capital,e os tripulantes Ximena Suárez, auxiliar de voo, e Erwin Tumiri, técnico da aeronave. Uma última atualização da Cruz Vermelha, no entanto, informou que o goleiro Danilo não resistiu e faleceu no hospital
No avião estavam também jornalistas da Fox Sport e da Rede Globo, entre eles o ex-jogador Mário Sérgio Pontes de Paiva, comentarista esportivo da Fox.
O time brasileiro, rival do Palmeiras no fim de semana na partida que deu ao time paulista a conquista do título nacional, faria o primeiro confronto da decisão da Copa Sul-Americana com o Atlético Nacional, quarta-feira.
A Confederação Sul-Americana já cancelou a partida e se colocou à disposição dos envolvidos. Uma das possibilidades é o avião ter sofrido pane elétrica. Os sobreviventes estão sendo levados para dois hospitais da região próxima ao aeroporto Jose Maria Córdoba, em Rionegro, nas imediações de Medellín, um deles é o San Juan de Dios.
O avião seguia para Medellín, mas chovia na região. Há a possibilidade de a aeronave ter sofrido pane seca também. Equipes de socorros confirmaram para as agências de notícias que há sobreviventes e eles estão sendo resgatados por cerca de 500 profissionais colombianos. O acesso ao local da queda é difícil. O avião não explodiu, de acordo com informações dos paramédicos.
De acordo com a imprensa local ainda, o avião perdeu contato com a torre de controle às 22h15min (1h15min de Brasília). O SOS foi emitido entre as cidades de Ceja e Lá Unión. O avião, de matrícula CP2933, fez uma parada em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, depois de decolar do Brasil. As primeiras vítimas resgatadas já foram levadas para o hospital.
Alan e Danilo, ambos da Chapecoense, teriam sido os primeiros a serem resgatados. Na emergência do voo, o piloto teria aberto os tanques de combustível para evitar a explosão da aeronave na queda. A região do acidente é montanhosa. O avião teria caído há apenas 25 quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto de destino.
A Chapecoense emitiu uma nota. "Em função do desencontro das notícias que chegam das mais diversas fontes jornalísticas, dando conta de um acidente que transportava a delegação da Chapecoense, a associação esportiva, através de seu presidente Ivan Tozzo, reserva-se o direito de aguardar o pronunciamento oficial da autoridade aérea colombiana, a fim de emitir qualquer nota sobre o acidente. Que Deus esteja com nossos atletas, dirigentes, jornalistas e demais convidados que estão juntos com a delegação".
A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) cancelou todas as atividades esportivas sobre a Sul-Americana. O site oficial do rival da Chapecoense, Atlético Nacional, também se manifestou sobre o acidente, lamentando o ocorrido e desejando sorte ao time brasileiro e aos sobrevivente. Também foi adiada a final da Copa do Brasil, que seria disputada na quarta-feira entre Grêmio e Atlético-MG, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.
O time de Santa Catarina é comandado por Caio Júnior, que já dirigiu o Palmeiras. Os jogadores da equipe são os goleiros Danilo e Follmann; os laterais Gimenez, Dener, Alan Ruschel e Caramelo; os zagueiros: Marcelo, Filipe Machado, Thiego e Neto; os volantes: Josimar, Gil, Sérgio Manoel e Matheus Biteco; os meias Cleber Santana e Arthur Maia; e os atacantes: Kempes, Ananias, Lucas Gomes, Tiaguinho, Bruno Rangel e Canela. Pela primeira vez em sua história, a Chapecoense disputaria um título de competição internacional. A equipe faz campanha regular na Série A do Campeonato Brasileiro.

Voo tinha 21 profissionais de imprensa

O voo que caiu levava, de acordo com a Chapecoense, 72 passageiros, além de nove tripulantes. Desses, 21 eram profissionais de imprensa. O único sobrevivente seria o jornalista Rafael Henzel, da Rádio Oeste Capital, que foi levado ao Hospital San Juan de Dios.
A Fox, que transmitia a Copa Sul-Americana, levava seis profissionais: o comentarista Mario Sérgio Ponte de Paiva, ex-jogador da seleção brasileira, Victorino Miranda, Rodrigo Santana Gonçalves, Davair Paschoalon (Deva Pascovicci) e Lilacio Pereira Júnior, Paulo Clement.
Da Globo, estavam no voo Guilherme Marques, Ari de Araújo Junior e Guilherme Lars, além de Laion Machado Espíndola, do GloboEsporte.com. Do Grupo RBS, de Santa Catarina, os jornalistas Djalma Araújo Neto e André Luis Goulart Podiacki.
Além disso, havia oito radialistas: Rafael Valmorbida, Renan Carlos Agnolin, Fernando Schardong, Edson Luiz Ebelliny, Gelson Galliotto, Douglas Dorneles, Jacir Biavitti e Ivan Carlos Agnoletto.
Com informações da Agência Estado
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia