Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de novembro de 2016. Atualizado às 07h48.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

educação

Alterada em 22/11 às 08h49min

Professores da Ufrgs entram em greve a partir desta terça-feira

Decisão foi tomada em assembleia geral na sexta-feira

Decisão foi tomada em assembleia geral na sexta-feira


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
Os professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul ligados ao Andes-Sindicato entraram em greve nesta terça-feira (22), reivindicando a suspensão e posterior revisão do calendário acadêmico, o reconhecimento da legitimidade das ocupações estudantis e o respeito aos processos de consulta construídos nas unidades acadêmicas e nomeação dos diretores por eles eleitos. A decisão foi tomada em assembleia geral realizada na sexta-feira (18).
A assembleia, realizada na Faculdade de Educação, no Campus Central da universidade, reuniu cerca de 140 professores de 19 unidades da instituição. Entre as reivindicações, os docentes pedem pela retirada da PEC 55, que limita os gastos públicos, e da MP 746, que prevê a reforma do Ensino Médio.
Em nota, o Sindicato Intermunicipal dos Professores de Instituições Federais de Ensino Superior do Rio Grande do Sul (Adufrgs-Sindical) - "único sindicato com registro sindical junto ao Ministério do Trabalho e legalmente capaz de representar os professores da Ufrgs, da UFCSPA, do IFRS e do IFSul de 12 municípios gaúchos" - informa que não deliberou greve ou paralisação dos docentes.
Uma assembleia geral da categoria está marcada para quarta-feira, às 18h, na sede do sindicato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia