Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de novembro de 2016. Atualizado às 13h45.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Cultura

17/11/2016 - 19h08min. Alterada em 18/11 às 14h48min

Sem acordo, grupos teatrais devem deixar Condomínio Cênico Hospital Psiquiátrico São Pedro

Grupos teatrais terão que deixar as instalações do São Pedro

Grupos teatrais terão que deixar as instalações do São Pedro


IVAN DE ANDRADE/PALÁCIO PIRATINI/JC
Michele Rolim
Em reunião hoje (17) à tarde o Secretário Estadual de Cultura, Victor Hugo, informou aos grupos de teatro do Condomínio Cênico Hospital Psiquiátrico São Pedro que é irreversível a posição da Secretaria Estadual da Saúde em reaver os pavilhões 5 e 6. "A Sedac solicitou a flexibilização da posição, mas a pasta da saúde tem outros planos", disse.
O secretário também enfatizou que está buscando soluções temporários para a apresentação do espetáculo Mithos, em outro espaço, e também destacou que iniciou uma procura de espaços ociosos para realocar os grupos, entre esses locais cogitados, está o Centro Cenotécnico e o Teatro do Ipê.
Os grupos que ocupam o Hospital Psiquiátrico São Pedro desde 2000 – Falus & Stercus, Caixa Preta, Oigalê, Neelic e Povo da Rua – ao final da reunião se manifestaram dizendo que saem com a impressão de que o secretário reconhece o valor do trabalho dos grupos e esperam que o Estado também reconheça e que sejam encontradas soluções para este momento.
Na última sexta-feira a Secretaria da Saúde suspendeu a estreia da peça Mithos, que comemoraria os 25 anos do grupo teatral Falos & Stercus. Um laudo dos Bombeiros se posicionou contrário ao uso do espaço.
Acordos de cooperação técnica entre a Sedac e a secretaria Estadual da Saúde garantiam que os grupos ocupassem os pavilhões 5 e 6. Os pavilhões já foram palco de espetáculos, e até a 3 Bienal do Mercosul, em 2001, já os utilizou. No entanto, inúmeras vezes os grupos já sofreram ameaças de serem despejados do local. Em janeiro deste ano, Victor Hugo havia informado que a Sedac obteve o aval do governo para assumir todo o complexo dos seis pavilhões com futura destinação de uso exclusivamente cultural.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Silvana Alves 18/11/2016 13h58min
(cont.) chamar os bombeiros que, no entanto, permitem que pacientes e funcionários continuem ocupando espaços quase tão degradados quanto os pavilhões usados pelos grupos de teatro. APOSTO o que quiserem como virarão escombros antes que qualquer planejamento de recuperação seja iniciado enquanto dezenas de imóveis ociosos poderiam abrigar os escritórios burocráticos da pasta da saúde. VERGONHA!!!
Silvana Alves 18/11/2016 13h54min
Que mesquinharia! Sem nenhum planejamento, num ato completamente arbitrário, infantilóide do atual diretor do Hospital que até mesmo agrediu fisicamente um integrante de um dos grupos residentes, a pasta "pede" que aqueles prédios tombados sejam esvaziados, após 16 anos de serviço dos grupos à comunidade do HPSP. O que salta aos olhos é o fato de que ele propositalmente aguardou a véspera da estreia do espetáculo de comemoração dos 25 anos do Falos & Stercus para algo inusitado (segue)