Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 15h25.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

16/11/2016 - 14h39min. Alterada em 16/11 às 16h29min

Pezão diz que violência não mudará debate sobre pacote de gastos do governo

Servidores protestam contra o pacote de cortes do governo do estado em frente ao prédio da Alerj

Servidores protestam contra o pacote de cortes do governo do estado em frente ao prédio da Alerj


Tânia Rego/Agência Brasil/JC
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse hoje (16) que a violência não trará benefício ao debate sobre a crise financeira do estado e pediu que manifestantes levem ideias e não violência à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), onde estão sendo discutidas medidas propostas pelo governo do estado para enfrentar a crise.
Manifestantes foram impedidos de entrar no prédio da Alerj hoje de manhã por forças de segurança. O palácio está cercado por grades e vigiado por policiais.
"Que essas pessoas que estão indo lá com violência, que levem ideias para dentro do parlamento, para a gente resolver a crise, que não é no Rio de janeiro, é a crise no Brasil", disse o governador.
Entre as propostas do pacote fiscal do governo do Rio estão o corte de programas como o aluguel social e os restaurantes populares, além do aumento de contribuições previdenciárias, inclusive para aposentados.
Pezão defendeu as medidas e disse que elas buscam dar previsibilidade à folha de pagamento do estado, que, segundo ele, ainda não está garantida para os próximos dois anos. Pezão disse que só há dinheiro para pagar dez meses de salários dos servidores ativos e inativos nos próximos dois anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia