Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 01h35.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 16/11/2016. Alterada em 15/11 às 19h44min

Taxa de sífilis no Estado é 161% maior que a média brasileira

Enquanto no Brasil, média é de 42,7 casos por 100 mil habitantes, no Estado, o índice é de 111,5 ocorrências por 100 mil

Enquanto no Brasil, média é de 42,7 casos por 100 mil habitantes, no Estado, o índice é de 111,5 ocorrências por 100 mil


MS/DIVULGAÇÃO/JC
A diminuição no uso de preservativos já vem preocupando os órgãos de saúde em razão do dos riscos de que a epidemia de Aids volte a crescer. Agora, outra doença se soma ao vírus HIV na mira de atenção: a sífilis. Dados do último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde revelam que os casos de sífilis adquirida (em adultos) aumentaram 32,7% no Brasil no período de 2014 a 2015. O relatório também traz um dado alarmante: a taxa de casos de sífilis adquirida no Rio Grande do Sul em 2015 são 161% superiores à média nacional. Enquanto no Brasil, o número médio é de 42,7 casos por 100 mil habitantes, no Estado, o índice é de 111,5 ocorrências por 100 mil pessoas.
O Rio Grande do Sul é disparado o Estado com a maior taxa de casos no Brasil. Em segundo lugar está o Espírito Santos, com 85,2 ocorrências por 100 mil habitantes. A menor taxa pertence à Alagoas, com 3,8 casos/100 mil.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia