Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de novembro de 2016. Atualizado às 23h27.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Notícia da edição impressa de 11/11/2016. Alterada em 11/11 às 00h29min

Paralisação nacional afetará setores públicos

Está marcada para esta sexta-feira uma paralisação nacional contra a Proposta de Emenda Complementar (PEC) 55, que congela por 20 anos os investimentos em serviços públicos, contra a reforma da previdência, contra o Projeto de Lei do Senado 30, que regulamenta os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles recorrentes e contra o Projeto de Lei 181/2015, que modifica a Lei nº 5.172 para dispor sobre exceção de créditos da dívida ativa consolidada a instituições financeiras.
Das 10h30min às 12h, está marcado um ato público dos trabalhadores da saúde, na avenida Bento Gonçalves, no viaduto que liga a avenida à perimetral, junto à Igreja São Jorge, em Porto Alegre. Trabalhadores da Companhia Rio Grandense de Artes Gráficas (Corag) e moradores da região Partenon também participarão.
No início da tarde, a BR-290 (Freeway) será ocupada na entrada de Santo Antônio da Patrulha por estudantes da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), com participação de alunos do Campus Litoral Norte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e do Instituto Federal de Osório.
A paralisação afetará o funcionamento de ônibus e de postos de saúde na Capital. No entanto, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) nega que os rodoviários tenham planejado algo oficialmente. Mesmo assim, agentes de trânsito estarão circulando pelas garagens e pelas vias, em caso de protestos. O Cpers/Sindicato convocou os professores a participar do movimento, chamado de "Greve Geral Nenhum Direito a Menos".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia